Regulamento 2018


ESTADO DE SANTA CATARINA
FEDERAÇÃO CATARINENSE DE VOLEIBOL
DEPARTAMENTO DE VÔLEI DE PRAIA

 REGULAMENTO TÉCNICO CAMPEONATO CATARINENSE DE VÔLEI DE PRAIA

                  CAPÍTULO-  I – DOS OBJETIVOS

    Art 1º - Este Regulamento é o conjunto de disposições que regem as disputas do Campeonato Catarinense de Vôlei de Praia de 2018 e obriga aos que com ele tenham relações técnicas, sua total obediência;
  Art 2º - O Campeonato Catarinense de Vôlei de Praia, além do estabelecido neste Regulamento, será também regido pelas Regras Internacionais da Modalidade, com as adaptações promovidas pela Confederação Brasileira de Voleibol;
   Art 3º - É de competência da FCV através de seu Departamento de Vôlei de Praia, interpretar, cumprir e fazer cumprir, este Regulamento, zelar por sua fiel execução e resolver os casos omissos;

              CAPÍTULO II –DA  FINALIDADE

   Art 4º - O Departamento de Vôlei de Praia da Federação Catarinense de Voleibol,   tem por finalidade organizar o Campeonato Catarinense de Vôlei de Praia, nas Categorias Sub 17, Sub 19, Sub 21, Sub 23, Adulto (nos dois naipes), e outras competições do gênero, visando fomentar e divulgar a modalidade e promover a descoberta de novos talentos, contribuindo para a formação física e mental, selecionando as melhores duplas através de pontuações correspondentes, para representarem o Estado de Santa Catarina, nas competições promovidas pela FCV e CBV;
  Art 5º - O Departamento de Vôlei de Praia e Representantes designados pela cidade sede da etapa, serão os responsáveis pela organização e o desenvolvimento do evento;
  
            CAPÍTULO III – DAS ETAPAS DA ORGANIZAÇÃO

  Art  6º - O Departamento de Vôlei de Praia da FCV, juntamente com o Representante designado pela cidade sede da etapa, deverão adotar todos os procedimentos de ordem técnica e administrativas para realização do Campeonato;
  Art 7º - Será de responsabilidade do Departamento de Vôlei de Praia da FCV, organizar as tabelas dos jogos;
 Art 8º - A distribuição das equipes na tabela será O somatório dos 2 melhores resultados nas últimas 3 etapas realizadas do campeonato catarinense do ano vigente;
 § 1º - A formação da tabela para todas as categorias serão feitas com 10 (dez) dias de antecedência, 06 (seis) dias antes da etapa marcada será divulgada a tabela. Na hipótese de desistência, a dupla será responsável pelo pagamento da inscrição, a falta deste pagamento impedirá novas inscrições. Em caso de substituição esta não poderá incluir um atleta já inscrito na competição e deverá permanecer na mesma posição do ranking;

 Art 9º - Para a distribuição das equipes nas chaves os desempates serão definidos através dos seguintes critérios:
1. Maior pontuação individual;
2. Melhor colocação individual na última etapa, entre os atletas que se enquadram no item 1;
3. Melhor colocação individual nas etapas anteriores, entre os atletas que se enquadram no item 1;
4. Data de nascimento (terá preferência o mais velho);
5. Sorteio.

CAPÍTULO IV – DO PERÍODO DE REALIZAÇÃO E DA
PARTICIPAÇÃO

   Art 10º - A programação será previamente estabelecida pelo Departamento de Vôlei de Praia da FCV, e dada a devida publicidade através de Nota Oficial da FCV;
  Art 11º - As equipes deverão até o dia 28 de fevereiro de 2018, data limite entrega listagem dos atletas por município, quando houver uma transferência para outro município o atleta terá o ranking zerado.
  Art 12º - Os limites de idades estabelecidos por categoria,  serão os seguintes:
                 - Sub 17 – Estarão aptos a participar do evento, atletas nascidos a partir de 1º de janeiro de 2002 (16 anos);
                 - Sub 19 – Estarão aptos a participar do evento, atletas nascidos a partir de 1º de janeiro de 2000 (18 anos);
                 -  Sub  21 -  Estarão aptos a participar do evento, atletas nascidos a partir de 1º de janeiro de 1998 ( 20 anos);
                 - Adulto – livre
 § 1º - Só os atletas federados e em dia com sua renovação anual terão direito à pontuação em competições oficiais da FCV e CBV.
§ 2º - Os atletas Campeonato adulto de outras Federações filiadas à CBV e atletas não federados poderão participar, mas não pontuarão no ranking catarinense;
OBS: Nas categorias de base atletas de outras federações não poderão participar;

 CAPÍTULO V – DIAS DE COMPETIÇÃO
 (Torneios Sub 17, Sub 19- Sub 21 - Sub 23 - adulto)

 Art 13º - O Torneio poderá ser realizado em um só dia para as categorias Sub 17, Sub 19, Sub 21 e adulto;
 Art 14º - Para as competições até 24  duplas os sets serão disputados em 21 (vinte um pontos) com dois de vantagem, até 32 duplas sets serão disputados em 18 (dezoito  pontos) com dois de vantagem, acima de 32 duplas os sets serão disputados em 15 (quinze  pontos) com dois de vantagem e para o jogo final sets de 18 (dezoito pontos) com dois  vantagem, sendo o tempo de aquecimento 3 (três) minutos.
Art 15º-  Cada dupla terá direito a 1 (um) tempo de descanso de 30’ (trinta segundos)  no set, não havendo a concessão de tempo técnico durante a partida.
Art 16º - Um sistema alternativo de competição poderá ser adotado pelo Comitê organizador de modo que esta fase da competição seja finalizada dentro do prazo definido.
                             
 CAPÍTULO VII – DAS INSCRIÇÕES

 Art 17º - As inscrições do Campeonato Catarinense de Vôlei de Praia,  deverão  ser encaminhadas até o prazo estabelecido para o Blog HTTP://blogvoleidepraia-sc.blogspot.com;
Art 18º - O custo da taxa de inscrição por equipe (dupla), será estabelecida pela sede da competição;
Art 19º - O prazo das inscrições para as etapas serão feitas com 10 (dez) dias de antecedência, 06 (seis) dias antes da etapa marcada será divulgada a tabela;
 Parágrafo Único – A inscrição só será confirmada, produzindo seus efeitos, após o envio e o recebimento do comprovante ou o número do depósito.
 Art 20º - As bolas usadas nas competições,  serão: FCV (PENALTY BEACH VOLLEY PRÓ) e  CBV ( MIKASA VLS 300).
Art 21º - O técnico para dirigir uma equipe, deverá preencher os seguintes requisitos:
a.     Possuir certificado de Técnico Nível I e II da CBV, ou possuir o Registro no CREF (Conselho Regional de Educação Física;
b.     Durante o Campeonato, os treinadores e membros de comissões técnicas que não forem habilitados a sentar no banco, não poderão passar instruções para a sua dupla durante os jogos. Caberá a Coordenação do evento (etapa) advertir, e se for necessário, retirar o técnico ou membro da comissão da área da competição.

CAPITULO VIII – DO UNIFORME

   Art 22º - As camisetas e tops de jogo,   poderão ser fornecidos pela organização do evento, e no caso da organização não fornecer os referidos materiais, a dupla deverá jogar com camisetas iguais;
   § 1º - Os uniformes das equipes participantes deverão obedecer o disposto nas Regras Oficiais da Modalidade;
   § 2º - O uniforme consiste em regatas, tops, calções, shorts, sunquínis ou, biquíni;
   § 3º - A cor dos calções, shorts, sunquínis, camisetas e tops, deverão ser padronizadas, OU SEJA, da mesma cor predominante;
   § 4º - É proibido o uso de uniforme de cor diferente;
   § 5º - Não é permitida a publicidade de produtos que seja prejudiciais à saúde e nem de caráter discriminatório, político ou religioso;
   § 7º - Os atletas poderão jogar com camisas de mangas compridas ou agasalhos sob o uniforme, desde que sejam iguais, o mesmo critério aplica-se quanto ao uso de calça de agasalho;

   § 8º - Os uniformes usados para jogo deverão estar em perfeitas condições de conservação, não ocorrendo tal fato, os mesmos deverão ser trocados e ter a mesma cor e numeração anterior;
  § 9º - É proibido o uso de objetos que possam produzir lesões ou proporcionar alguma vantagem ao jogador, facultando-se o uso de óculos e lentes, por conta e risco do atleta que estiver usando;
  § 10º - A dupla que não se apresentar devidamente uniformizado será dada W x 0 naquele jogo;

 CAPÍTULO IX – DA CLASSIFICAÇÃO E PONTUAÇÃO

 Art 23º - No Torneio Principal a pontuação será a seguinte:

a.     1º lugar   200 pontos -    1 equipe
b.     2º lugar  180 pontos -    1 equipe
c.     3º lugar  160 pontos-      1 equipe
d.     4º lugar 140 pontos-     1 equipe
e.     5º/6º lugar  120 pontos -   2 equipe
f.      7º/8º lugar 100 pontos-  2 equipe
g.     9º/10º lugar 80 pontos -  2 equipe
h.     11º/12º lugar 60 pontos-  2 equipe
i.      13º/14º lugar  40 pontos-  2 equipe
j.      15º/16º lugar  20 pontos-  2 equipe
k.     Demais 10 pontos

Art 24º - As duplas poderão ser formadas por um  atletas de outro municípios;
Art 25º - As duplas classificadas em 1º, 2º e 3° lugares, nas diferentes etapas receberão medalhas ou  troféus como premiação, podendo receber ou não premiação em dinheiro.
Art 26º - Será de responsabilidade da coordenação do evento, a criação de condições de finalização da etapa, achando alternativas para tal, se em decorrência do surgimento de características especiais, tais como, alterações climáticas, problema de estrutura na arena do evento, e outros, a mesma tiver que ser interrompida.

Art 27º -  A cada ano o Ranking começará do zero
 Art 28º - O ranking de duplas será estabelecido pela soma dos pontos individuais dos jogadores e serve como instrumento para classificar as duplas para uma determinada etapa, definir colocações dentro da chave, posições na tabela, premiações e somar pontos para selecionar as melhores duplas para representar o estado em competições oficiais da FCV e CBV.
§ 1º - As regras que estabelecem o ranking individual:
a.     O somatório dos 2 melhores resultados nas últimas 3 etapas realizadas do campeonato catarinense do ano vigente;
§ 2º se houver etapa oficiais da CBV durante o campeonato catarinense, valerão 100% dos pontos correspondentes à pontuação do campeonato catarinense desde que o atleta esteja participando do catarinense);

  § 3º - Serão considerados campeões catarinense, aqueles que obtiverem a soma dos resultados de todas as etapas jogadas juntas do campeonato catarinense de vôlei de praia 2018.

CAPÍTULO X – DOS CRITÉRIOS PARA O CIRCUITO BRASILEIRO
E INDICAÇÕES PARA AS SELEÇÕES SUB 17, SUB 19 E SUB 21

   Art 29º - Os requisitos para que duplas representem o Estado de Santa Catarina, em competições oficiais pela FCV ou CBV, são:
a.     CBBPV, CEBBVP e CHALLENGER  Soma de 50% dos pontos finais do ranking do Circuito Brasileiro e mais 100% dos pontos das etapas do CCVP, do ano da competição;
b.     As indicações para o CBBVP/CBS e CHALLENGE, considerarão somente a pontuação de cada circuito.
c.     Os critérios para a definição do ranking catarinense e indicação para seleções SUB 17, SUB 19, SUB 21 serão: Somatório dos 2 melhores resultados nas últimas 3 etapas realizadas do campeonato catarinense do ano vigente;
§ 1º - As indicações para as seleções catarinenses serão estabelecidas pela soma dos pontos individuais dos (as) atletas, desde que tenham jogado ao menos uma etapa juntos. O técnico poderá convocar qualquer atleta, desde que comunique ao técnico do atleta convocado, bem como o departamento de vôlei de praia de Santa Catarina antes da convocação.
§ 2º - A indicação para fase principal do Campeonato Brasileiro será a que realizou uma etapa no ano anterior.
§ 3º - Critério a ser adotado caso uma ou mais duplas joguem o Qualifying do Campeonato Brasileiro de Seleções Sub 17, Sub 19 e Sub 21: Caso a dupla do Qualifying conquiste uma posição melhor que a dupla indicada pelo Estado, a mesma ganha o direito de indicação para a próxima etapa do brasileiro de seleções, da mesma categoria que conquistou no corrente ano.
§  4º - o ( a) atleta que for convocado para seleção brasileira de praia ou quadra e não puder comparecer em uma etapa do Campeonato Catarinense de Vôlei de Praia realizada no mesmo período terá a soma da última etapa jogada do ranking catarinense;
§ 5º -  Atleta lesionado - Manterá o regulamento do ranking, no entanto contando as últimas 3 etapas jogadas pelo atleta;
§ 6º -  Para acompanhar a delegações o Técnico terá que possuir  (CREF, pelo menos o nível I e registrado na FCV/CBV );




CAPÍTULO XI – DOS CRITÉRIOS PARA OS DESTAQUES E TROFEU EFICIÊNCIA

Art 30º - No final da temporada será escolhido com  atleta destaque o atleta da dupla campeã mas votado por todos os técnicos;

Art 31º - O   técnico destaque será da dupla campeã;

Art 32 - Troféu eficiência;
A FCV conferirá um troféu, denominado Troféu Eficiência, nos naipes Masculino e Feminino, aos municípios  que realizar a melhor campanha nos Campeonatos por ela homologados, na temporada 2018 e no ano de 2018, sendo adotado o seguinte critério de pontuação conforme a abaixo:

      32. 1 - Pontuação troféu eficiência

TODAS AS CATEGORIAS
CLASSIFICAÇÃO

Demais
PONTUAÇÃO
15
13
11
08
06
04
02


§ Único - Se houver empate entre duas ou mais equipes será adotado o seguinte critério:
Maior número de primeiros lugares e assim sucessivamente;
 
CAPÍTULO XII – PROCEDIMENTO PARA REGISTRO E RENOVAÇÃO ANUAL ATLETA FCV/CBV

 Art 33º - O registro poderá ser feito através do site WWW.voleibol-sc.com.br , indo até formulários, depois em Registro de Atleta de Vôlei de Praia;
 § 1º - Primeiro registro, atleta deverá encaminhar os seguintes documentos:
a.     01 fotos 3 X 4;
b.     Ficha registro de atleta (não será aceito preenchimento à caneta);
c.     Atestado médico;
d.     Cópia da identidade ou certidão de nascimento;
e.     Termo de compromisso assinado (CBV);
        f. Cópia do comprovante de depósito de pagamento da taxa de inscrição, no valor de R$ 50,00 (cinquenta reais), feito na seguinte conta: FCV Banco do Brasil Agencia: 3077-5 Conta corrente: 106.054-6
   § 2º - Uma vez cumprido os procedimentos para registro e após autorizado pelo Presidente da Federação em que foi solicitado o registro, o atleta já poderá pontuar no Campeonato Catarinense e ser indicado para participar das etapas dos campeonatos homologados pela FCV;
§ 3º - O atleta receberá um número e sigla da Federação de Registro, como forma de identificação. Ex: Carla Barros de Azevedo, nº 1.2345 (nº registro, SC,( Estado pelo qual está registrando);
 § 4º - Não é necessário ser natural, nem residir no Estado, para se registrar pelo mesmo;
 § 5º - As transferências só serão permitidas para a Federação Estadual de origem do atleta (Federação do Estado em que nasceu);
 § 6º - Não existe limite de idade estabelecido para fazer o registro;
 § 7º - Será de responsabilidade do atleta, a busca de parceiro para inscrição nos torneios.


CAPÍTULO XIII – PROCEDIMENTO PARA REGISTRO E RENOVAÇÃO ANUAL TÉCNICO FCV/CBV
Art 34º - O registro poderá ser feito através do site www.voleibol-sc.com.br , indo até formulários, depois em    Registro de profissionais;
 § 1º - Primeiro registro deverá encaminhar os seguintes documentos:
a.     01 fotos 3 X 4;
b.     Ficha registro do técnico (não será aceito preenchimento à caneta);
c.     Cópia da identidade, Diploma e Cursos;
       d.    Cópia do comprovante de depósito de pagamento da taxa de inscrição para registro, no valor de R$ 200,00 (duzentos reais), feito na seguinte conta: Federação Catarinense de Voleibol (FCV) Banco do Brasil Agencia 3077-5 Conta corrente 106.054-6.
 § 2º - O técnico receberá um cartão com foto, número e sigla da Federação, como forma de identificação.      
Art 35º - Os contatos junto a FCV poderá ser feito com o Coordenador do Vôlei de Praia, Sr Sérgio Rodrigues Castro (Ceará), pelos fones (48) 9995-4995 ou (48) 3348-0203 ou ainda pelos e-mails voleidepraia.fcv.sc@gmail.com. Ou marga@.voleibol-sc.com.br
    
Este Regulamento entra em vigor na data de sua publicação, revogando-se todas as disposições em contrário.



                 DANTE KLASER                               SÉRGIO RODRIGUES CASTRO   
             PRESIDENTE DA FCV                      COORD. DO VÔLEI DE PRAIA FCV
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Tempo em